5 razões para você não comparar a sua carreira com a dos outros

2015-12-02_comparando-carreira3

Vamos admitir que se comparar com os outros é inevitável, mas isso não significa que é valioso.

Leia também:
» Como fazer uma análise de performance das suas candidaturas
» 8 segredos dos caçadores de emprego
» Dicas para melhorar sua carta de apresentação

É natural que tenhamos um pouco deste espírito de competição, que pode ser saudável e nos direcionar positivamente para dar o pontapé inicial em nossas escolhas.

O escritor norte-americano Theodore Roosevelt disse que “a comparação é o ladrão da alegria”. Muitas vezes se formos seguir esta linha de raciocínio podemos realmente concordar que se nos igualarmos uns aos outros traçaremos sempre algo frustrante, desencorajador e simplesmente improdutivo para o nosso próprio tempo.

Embora em muitos casos as redes sociais nos apresentem apenas os melhores cenários do outro, a comparação é quase inevitável. O famoso “comercial de margarina” nos leva a compararmos com o sucesso alheio, diretamente ou indiretamente, logo, temos que rever e analisar se realmente vale a pena nivelar as nossas habilidades e prioridades com as do vizinho.

Bom, não adianta fugir da realidade, mas se você quer bons motivos para não se comparar aos outros leia atentamente os itens abaixo:

1. É um desperdício do seu tempo

Isso deveria ser óbvio, mas algo positivo ou produtivo raramente sai de se comparar aos outros. Então, declaradamente esta ação é um desperdício de tempo precioso que você poderia estar gastando em outras coisas mais benéficas até mesmo na internet, que oferece milhões de ferramentas e MOOCs para você dar um up grande no seu CV e aperfeiçoar as suas skills.

Dê um basta em algumas fanpages e comunidades que parecem ajudar, mas que no fundo te forçam a ter uma opinião formada sobre tudo e te deixa exausto com tanta poluição de informação inútil.

Procure acompanhar apenas canais que realmente são da sua área de interesse e tente fazer networking com pessoas que têm o mesmo objetivo ou projeto que você quer seguir. Compartilhe ideias, participe de enquetes, deixe comentários pertinentes em grupos e textos.

2. Nem sempre é o que parece

Sabemos que a maioria das pessoas tem a tendência de apresentar a versão mais brilhante de suas vidas, particularmente em redes sociais. Portanto, não se engane em pensar que você é o único que passa por tempos difíceis ou enfrenta batalhas complicadas.

Bom, é claro que ninguém vai ficar mencionando que estava realmente a ponto de deixar sua posição X no emprego; que está completamente insatisfeito no trabalho ou que foi demitido.

Geralmente as pessoas não comentam muito sobre o sua relação com o trabalho na internet, justamente para não causar conflitos com colegas ou RH. É importante ter bom senso nesses momentos. Não é justo, por exemplo, fazer comentários sobre as férias do outro. Você já deve ter visto alguém escrever uma mensagem assim: “Nossa, está ganhando bem, hein? Foi viajar para a Europa!”.

Quem faz isso pode cair na armadilha de confrontar a miragem, e não o que realmente acontece. Afinal, se alguém trabalhou duro ou economizou para ter os seus momentos de lazer, certamente foi pelo seu próprio esforço. E se não foi bem assim, que diferença isso faz na vida dos outros, não é mesmo?

Dedicação e empenho trazem tranquilidade para ter um momento de descanso ainda melhor – sem comparar com a dos outros.

2015-12-02_comparando-carreira2

3. Não é uma medição do sucesso da sua carreira

Sim, a sua carreira é uma grande parte de sua vida. Que tal antes de bisbilhotar a profissão ou a empresa que alguém trabalha você mesmo o auto-avaliar?

Pergunte-se:
Eu gosto do meu trabalho?
Eu tenho uma família amorosa e solidária, além de um grupo de amigos que apoiam a minha profissão?
Eu sou saudável, ou seja, tenho saúde e qualidade de vida?
Eu sou feliz?

Se você respondeu “sim” para a maioria das questões ou até mesmo uma destas perguntas, então eu diria que você está fazendo muito bem para si mesmo.

É importante lembrar diariamente que a sua carreira é apenas uma fatia do bolo e a sua auto-motivação é a cereja do bolo, que decora e melhora o seu futuro profissional, assim como a sua vida.

Não adianta tentar questionar o vizinho. Se ele esta feliz com o trabalho dele; se a empresa que ele trabalha é boa; ou paragonar os benefícios e salários que ele recebe com os seus. É uma questão prática: cada um atrai aquilo que procura.

Quer algo melhor para você? Corra atrás dos seus objetivos, estude, investigue, questione, seja curioso.

4. É desanimador e não um desafio

A comparação é uma coisa que chega até ser engraçada e paradoxal, pois qualquer um pode fazer você se sentir um miserável e derrotado ou, ao contrário, um vitorioso e talentoso. A melhor coisa a fazer é evitar alimentar este tipo de situação em tempos da área digital, em que tudo é exposto como liberdade de expressão.

Resumindo, se você tem um colega de trabalho que compartilha o seu sucesso ao alcançar uma promoção, ao finalizar um curso ou ao ganhar um prêmio, não sinta-se desvalorizado, irritado ou sem importância. Se ele conseguiu este destaque, bom pra ele, que isso seja um exemplo e inspiração para você também.

Mostre que é capaz e se envolva com a ideia de fazer algo diferente afim de aprender coisas novas e, quem sabe, fisgar resultados melhores.

5. Não se sabote, você tem que ser original

Administrar o tempo e balancear o controle emocional são os dois importantíssimos pilares para um excelente começo e parar de vez de comparar o seu potencial e a sua carreira com os demais.

O que você deve fazer é escolher alguns influenciadores e profissionais que tenham semelhança com o seu campo de trabalho e que realmente possam motivar e inspirar você a alcançar esse mesmo sucesso.

Reserve pelo menos 30 minutos do seu dia para ler sobre padrões que podem ser seguidos ou então assista vídeos e documentários desses “personagens” que você escolheu e se familiarizam com a sua realidade.

Um portal bem bacana que eu sempre recomendo é o Bright Talk. Ele possui palestras, seminários e muitos cursos e-learning na Língua Portuguesa e diversos outros idiomas, totalmente gratuitos e que vão absolutamente preencher o seu tempo vago com muitos conteúdos inteligentes.

Acredite em si, tenha bom senso e procure as referências certas. Seja inédito, seja você!

Esse texto é uma colaboração da blogueira Daniela Bernardes Loyola O’Connor. Caso você também queira colaborar com conteúdos, entre em contato pelo e-mail tutano@trampos.co.

DEIXE UM COMENTÁRIO