Filmes para pensar a comunicação como negócio

7-filmes-comunicacao2

Já indicamos aqui quatro filmes de 2014 interessantes para quem é da comunicação. Mas também é importante lembrar os clássicos que tratam da influência da comunicação na sociedade. Quem passou pela faculdade de jornalismo ou comunicação já deve ter assistido muitos deles.

Leia também:
» Se eu posso fazer, por que não?
» “Os fotógrafos que me inspiram são os que trabalham diretamente comigo”
» O filme 3D mais louco já feito

Longas como o famoso “Cidadão Kane” ou o recente “Garota Exemplar” mostram o poder de interferência da mídia sobre a realidade. Já filmes como “O Show de Truman” e “EDtv” retratam como as barreiras entre ficção e realidade existem onde a mídia de massa deseja.

Alguns títulos são praticamente obrigatórios para quem trabalha na área, seja para pensar criticamente ou para analisar os aspectos e profundidades da profissão. Confira a seguir 7 filmes que ajudam a pensar a comunicação como um negócio:

7 – OBRIGADO POR FUMAR (THANK YOU FOR SMOKING, 2006)
Um retrato ácido da indústria do tabaco, “Obrigado por Fumar” tem como protagonista um porta-voz dos interesses da indústria do cigarro (Aaron Eckhart). Ele é responsável por rebater as pesquisas que apontam os perigos do consumo, além de fazer aparições na mídia para defender o vício e a indústria. O filme mostra como estão unidas a mídia e a política quando o assunto são os interesses do mercado.

6 – EDTV (EDtv, 1999)
Esse filme mostra como a sociedade do espetáculo busca características da ficção na realidade. O filme conta a história de um homem comum, Ed, que é escolhido para ser o protagonista de um reality show sobre a sua própria vida. A audiência fica abaixo do esperado até o momento em que a vida dele começa a ficar mais agitada, quando descobre que o irmão está traindo a namorada, e esta confessa estar atraída por Ed. O longa foi dirigido por Ron Howard e estreou em 1999.

5 – QUIZ SHOW – A VERDADE DOS BASTIDORES (QUIZ SHOW, 1994)
Inspirado em um caso real de escândalo envolvendo um tradicional game show americano nos anos 1950. No filme, os produtores de um programa de perguntas e respostas arranjam as vitórias e derrotas de participantes estratégicos de forma a alavancar a audiência.

4 – CIDADÃO KANE (CITIZEN KANE, 1941)
Considerado um clássico do cinema por ser pioneiro em diversas técnicas que hoje fazem parte do cotidiano cinematográfico, “Cidadão Kane” também é uma análise crítica sobre o comportamento da mídia. Lançado em 1941, o filme é uma crônica da repercussão da morte de um magnata do jornalismo e previu muitas das práticas da mídia de massa que viriam a se desenvolver nos anos seguintes. Já é possível ver um interesse generalizado da população pela intimidade do personagem e a mídia se aproveitando dessa sede de informações para ganhar audiência.

3 – O SHOW DE TRUMAN (THE TRUMAN SHOW, 1998)
Já considerado um clássico do cinema recente, “O Show de Truman”, com Jim Carrey, apresenta uma premissa aparentemente fantasiosa, mas que tem tudo a ver com o nosso cotidiano. Cada vez mais os reality shows se espalham pela programação, em formatos cada vez mais variados, sempre com o objetivo de retratar a vida real na televisão. Onde está, então, o limite da vida real e da ficção?

2 – REDE DE INTRIGAS (NETWORK, 1976)
Quando o âncora de rádio de uma grande emissora descobre que vai ser demitido por baixa audiência, acaba bebendo demais e ameaça cometer suicídio ao vivo. O que segue é um grande aumento na audiência toda vez que ele entrava no ar para reclamar da vida e de sua sorte. Considerado um clássico do diretor Sidney Lumet, “Rede de Intrigas” traz um retrato da sociedade do espetáculo que parece exagerado, mas que reflete com fidelidade a realidade atual.

1 – A MONTANHA DOS SETE ABUTRES (ACE IN THE HOLE, 1951)
Clássico de primeiro semestre de curso, o longa mostra que os vícios da mídia do espetáculo são mais antigos do que se costuma imaginar. A história apresenta toda a repercussão criada em torno de um acidente em uma mina, aprisionando um trabalhador. Ao perceber um furo de reportagem imperdível, um repórter transforma a cobertura do acidente em uma verdadeira atração. Com o objetivo de maximizar ainda mais o potencial de audiência, ele chega a contribuir para que o resgate demore ainda mais tempo para acontecer.

Lembrou de mais algum? Conte pra gente nos comentários.

DEIXE UM COMENTÁRIO