Quatro filmes de 2014 para debater a comunicação

filmes_abutre
[não contém spoilers]

O cinema sempre levanta questões interessantes sobre o mercado de comunicação. Não à toa, filmes com essa aproximação transformam-se em clássicos indispensáveis e absolutos. Na lista a seguir, indico quatro filmes lançados em 2014 que debateram direta ou indiretamente questões da área.

Leia também:
» 101 filmes para inspirar
 » As lições de filmes que nunca sairam do papel
» Filmes para pensar a comunicação como negócio

Para não quebrar as expectativas de quem ainda não conferiu os longas, os comentários e apresentações são breves, sem spoilers.

GAROTA EXEMPLAR
A adaptação do livro de Gillian Flynn aborda vingança, traição e mentiras. O filme de David Fincher mostra comportamento sensacionalista da imprensa em torno de uma história mal resolvida. Afora a suposta psicopatia, a personagem Amy Dunne também traz lições sobre planejamento e como as aparências podem enganar a todos (principalmente àqueles da imprensa que se acham espertos).

WHIPLASH
O drama do jovem Damien Chazelle conta a história de um baterista de jazz iniciante. Não é um filme sobre comunicação. Mas é uma lição sobre comunicar-se e sobre a relação chefe-aprendiz/professor-aluno. Se você ainda não viu, preste atenção na tônica do filme: os diálogos entre os dois personagens principais (J. K. Simmons acaba de ganhar um Globo de Ouro pela atuação coadjuvante), principalmente na cena do pub em que falam sobre motivação e talento.

[call-dialog source=”filmes-de-2014-para-debater-a-comunicacao” titulo=”Saiba como melhorar a relação chefe-colaborador”]

 

O ABUTRE
Nasceu já como um clássico do jornalismo. Se muitos filmes têm a mesma temática, nenhum ainda tinha abordado com atuações tão certeiras o jornalismo independente. Discute os limites éticos na busca por audiência, a concorrência entre freelancers e questiona o noticiário sanguinário. O personagem de Jake Gyllenhaal se alimenta da desgraça alheia, mas também tem determinação em aprender sobre a função.

RELATOS SELVAGENS
Todas as histórias do filme argentino são conduzidas pela dificuldade no relacionar-se com o outro. Como o cotidiano burocrático nos mata dolorosa e lentamente. O descontrole dos relacionamentos, a sede de vingança que nasce em qualquer situação banal. E as consequências disso tudo. Nada muito diferente do mercado de trabalho.

Você viu algum filme recente que pode nos ensinar algo sobre Comunicação?

 

 

DEIXE UM COMENTÁRIO