Como transformar a procrastinação em ócio criativo

Como transformar a procrastinação em ócio criativo

Procrastinação parece que se tornou o mal do século no ambiente de trabalho. Talvez porque gerações mais velhas e empresas mais conversadoras não saibam como lidar com nossa forma de trabalhar com um olho no job e outro no Facebook – ou talvez porque a gente esteja mesmo entregando menos resultado por causa disso.

Leia também:
» Infográfico: como aumentar a produtividade no trabalho
» 7 erros sobre a criatividade e como potencializá-la
» 5 sinais que você precisa de uma pausa no trabalho

O problema, porém, é que tudo que se torna “algo a combater” começa a virar uma verdadeira caça às bruxas. E essa relação entre produtividade e procrastinação está no meio do jogo, trazendo um monte de novos mandamentos para nosso dia a dia: não olharás o Facebook, usarás o Pomodoro todos os dias, não perderás tempo vendo vídeos de cachorrinhos…

Será que procrastinar é mesmo tão ruim, especialmente para funções nas quais a criatividade é o que determina um trabalho bom ou ruim? Pois é, talvez seja hora de rever o que você deve combater de verdade.

Por que procrastinar pode ser bom?

É claro, não dá para ficar procrastinando o dia inteiro, todos os dias da semana. Quando você adia a maioria das suas tarefas para um dia antes da deadline, a qualidade de seu trabalho cai, você deixa de cumprir prazos, seu chefe ou seu cliente ficam inseguros, e por aí vai…

Mas e se a procrastinação for transformada em ócio criativo? Esse termo, criado pelo sociólogo Domenico de Masi, diz respeito à colocar lazer e descanso no meio do trabalho. Algo que ajuda a ter ideias e estabelecer conexões e tem potencial de tornar as empresas mais produtivas e inovadoras – bem diferente de ficar 8 horas por dia na frente do computador e 100% focado em sua tarefa.

O importante é, então, que você consiga reconhecer que não precisa ser produtivo o tempo inteiro (ufa!) e que permitir alguns momentos de ócio durante a sua jornada podem torná-lo, inclusive, um profissional melhor.

Formas de aproveitar seu ócio criativo

Voltando ao mundo real, com prazos a cumprir e jobs a entregar, o ócio criativo não pode tomar todo seu dia. Ele precisa ser balanceado entre sua rotina de trabalho, lazer e descanso. Para quem trabalha como freelancer, como eu, fica mais fácil permitir-se essas pausas durante a semana. Mas, mesmo quem é funcionário da empresa mais tradicional consegue aproveitar alguns momentos para impulsionar a criatividade. Veja algumas dicas:

1. Trabalhe quando se sentir produtivo

O principal segredo para “procrastinar de forma consciente” é realmente aproveitar aqueles dias em que se sente super produtivo. Use esses momentos para adiantar seus jobs e, se puder, trabalhe até onde sua energia permitir. Isso irá permitir que você esteja sempre à frente dos seus prazos e, quando precisar de um pouco de descanso para a mente, não deixará de cumprir nenhum deles.

2. Use o tempo livre de forma inteligente

Calma, usar o tempo livre de forma inteligente não significa que você só pode procrastinar se estiver lendo sobre trabalho ou fazendo cursos online. Pelo contrário, as melhores ideias surgem justamente quando você está fazendo coisas pouco relacionadas com o que precisa entregar – quem nunca teve uma ideia brilhante enquanto tomava banho?

Tente entender quais são os tipos de atividade que estimulam sua criatividade e permitem uma pausa no trabalho, mesmo que rápida. Pode ser tomar um cafezinho, conversar com o colega do lado, assistir a uma série, praticar um exercício ou ver algumas matérias do Buzzfeed (eu fiz uma pausa para ler artigos desse site enquanto escrevia esse post).

3. Faça as pazes com seu tempo interno

“Eu preciso trabalhar, mas não estou com foco”. Quem nunca ficou um dia inteiro pensando nisso e no fim acabou nem fazendo muita coisa além de se culpar e tentar produzir? Às vezes, precisamos simplesmente nos conciliar com nosso tempo interno e entender que nem sempre ele está ajustado com o tempo que vai passando no relógio. Se você tem flexibilidade de horário, ou se o seu chefe não se importa de você procrastinar por 2 horas para sair 2 horas mais tarde depois, aceite isso e não brigue com si mesmo tentando produzir – normalmente não sai nada de bom daí…

A criatividade não trabalha das 9h às 18h

Se tem uma coisa que a gente precisa aceitar como profissional é que não dá para tentar encaixar a criatividade das 9h às 18h, nem mesmo restringi-la à mesa de trabalho. É uma pena que a maioria das empresas ainda não se deu conta disso. Mas, como boa otimista, fico feliz em ver cada vez mais iniciativas de trabalho remoto, de jornadas mais flexíveis e de ambientes mais informais dentro dos escritórios. Mesmo que ainda demore um tempo, torço para que a gente não precise mais se culpar por fazer uma pausa para descansar a cabeça e dar espaço às novas ideias no meio da rotina do trabalho. E você?

Como você lida em seu dia a dia com os momentos de procrastinação? Você consegue transformá-los em ócio criativo?

Esse texto é uma colaboração de Luciane Costa, jornalista e autora do site Vivendo de Freela. Caso você também queira colaborar com conteúdos, entre em contato pelo e-mail tutano@trampos.co.

DEIXE UM COMENTÁRIO