O filme 3D mais louco já feito

2015-08-11_filme-3D-mais-loco

(É impossível dar spoilers em um filme com esse, não se preocupe)

Nunca crie expectativas sobre qualquer filme de Jean-Luc Godard. Por toda sua trajetória de experimentação e vanguardismo, não é possível ir ao cinema para entendê-lo ou esperando por uma narrativa coerente. Quando soube que o longa mais recente do diretor de 84 anos tinha sido filmado para 3D, a curiosidade já tinha me acometido. Adeus à Linguagem não é o tipo de filme que você pode deixar para ver em casa. Não mesmo.

Leia também:
» As lições de filmes que nunca saíram do papel
» Confira as produções do trampos.tv
» Quatro filmes de 2014 para debater a comunicação

2015-08-11_filme-3D-mais-loco2

O cão Roxy é o ator mais expressivo do filme. E o 3D de Godard por vezes é assim mesmo: estourado | Imagens: reprodução

Eu costumo fugir dos filmes 3D. Entre minhas ressalvas, está a miopia que me faz odiar os óculos por cima dos óculos. Mas se Godard filmou em 3D é porque ele tem algo a nos dizer, pensei. Só fiquei sabendo da sinopse alguns minutos antes de entrar na sala (algo sobre um cachorro no meio de um casal lidando com uma crise amorosa). Depois de um dia imersa em um curso sobre comunicação — em que qualquer um descobre que não sabe se comunicar — Godard quis me deixar mais confusa ainda com filosofias sobre linguagem e corpos nus em três dimensões.

O filme é, como muitos outros da obra do diretor, uma série de colagens, com frases soltas e nenhuma história de plano de fundo (você pode criar a sua, se quiser). É possível se iludir com uma fotografia linda, que logo em seguida é distorcida. Em algum momento, é preciso fechar o olho esquerdo para enxergar a imagem da direita, e depois fazer o contrário. Nas cenas sobrepostas, nos cortes bruscos e nas filosofias dos poucos personagens, está a mensagem. E mesmo que você se sinta um pouco ignorante, o filme é cheio de ótimos momentos.

Por fim, entendi que as metáforas fazem uma crítica. O próprio uso do 3D, de smartphones e câmeras portáteis é um questionamento ao uso desses recursos, seja no cinema ou na sociedade atual. Por deixar todos confusos e reflexivos, a obra de Godard é democrática (e ironicamente foi censurado outrora). Mas se você acha que entendeu algo provavelmente está mentindo. Ele mesmo diz.

Confira o trailer legendado:

DEIXE UM COMENTÁRIO