12 lições fundamentais que Steve Jobs ensinou a Guy Kawasaki

Guy Kawasaki

Guy Kawasaki é bem conhecido por seu apoio à inovação e empreendedorismo, trabalhou no início da Apple, impulsionou, assessorou e assistiu diversas empresas de tecnologia bem sucedidas. Ele também afirma ser uma das poucas pessoas que trabalharam duas vezes para Steve Jobs e sobreviveram.

Leia também:
» Infográfico: como Steve Jobs começou
» Lições dos líderes de tecnologia aos estagiários
» 50 sinais de que você pode ser um empreendedor

Kawasaki reconhece que trabalhar para Steve Jobs não era fácil, mas diz que foi uma das melhores experiências de sua vida.

Em 6 de Outubro de 2011, um dia após o falecimento de Jobs, Guy tinha uma apresentação marcada sobre o tópico “encantar clientes” na Silicon Valley Bank CEO Summit. Tocado pela morte de Jobs, Guy mudou seu discurso no último minuto para “12 lições que aprendi com Steve Jobs que podem ser aplicadas aos empreendedores”.

O discurso tem menos de 30 minutos de duração e pode ser encontrado no link abaixo:

As lições estão resumidas aqui com alguns comentários. Se você está interessado em escutar um ponto específico, é só clicar na indicação do minuto onde cada ponto aparece durante o discurso do Guy e ouvir diretamente o trecho:

Aqui estão 12 lições para empreendedores que Guy Kawasaki aprendeu com Steve Jobs

1. Especialistas são inúteis (3:44)

Celebridades, analistas, gurus não podem ajudá-lo como empreendedores. Seja a opinião de uma pessoa ou de várias, no fim é somente isso — uma opinião. Como Guy diz: “Steve Jobs não dava ouvidos aos especialistas. Pelo contrário; especialistas o escutavam”.

“Como um empreendedor, você terá que descobrir as coisas por si mesmo. Não dependa dos outros.”

2. Clientes não podem dizer o que precisam (5:06)

Steve Jobs disse: “Muitas vezes, as pessoas não sabem o que querem até que você mostre a eles”.

Claro, Jobs tinha recursos para perseguir essa filosofia, o que você e eu talvez não tenhamos. Mas as melhores ideias vêm daqueles que identificam problemas que precisam de solução, antes que um outro alguém tenha feito algo sobre isso.

3. Grandes desafios geram o melhor trabalho (6:52)

Pense nos seus clientes mais difíceis, seus consumidores mais exigentes. Não é um prazer lidar com eles. Mas você não pode negar o fato de que resolver seus problemas te faz melhor. Jobs era conhecido por sua atenção aos detalhes e à excelência. Este era um enorme desafio para aqueles que trabalharam com ele, mas também despertou o melhor neles.

Lição: Desafie sua equipe e não se afaste dos desafios estendidos a você. Talvez você se surpreenda com o que é capaz de fazer.

4. Design importa (7:42)

Em um mundo onde todos estão falando de preço, o design ainda importa. Para muitas pessoas, design é o produto.

Esse ponto me foi provado em um recente estudo que conduzi com diversos clientes na Alemanha, para determinar imagem de marca. Eles recebiam uma lista de empresas e eram solicitados a escreverem as primeiras três palavras ou frases que vinham à mente quando liam o nome da empresa. Quando foi a vez da Apple, muitos participantes escreverem a palavra “design”.

Talvez não coincidentemente, apesar de ter muitos críticos, a Apple consistentemente esteve entre as principais marcas que pesquisei.

5. Grandes gráficos, grandes fontes (9:21)

“Esse é o segredo da apresentação. Faça isso e você será melhor do que 90% das pessoas que usam Powerpoint.”

Ninguém quer um apresentador que simplesmente leia slides. Apesar disso, vemos isso acontecendo várias vezes. Lembre-se do princípio “KISS: Keep It Short and Simple” (“Seja curto e simples” em tradução livre).

Steve Jobs era conhecido por seu uso de gráficos e fontes grandes.

Seguir essa regra te força a resumir sua mensagem, explicar de modo simples e claro e atrai sua audiência — elementos de uma grande apresentação.

6. Inove, não melhore a mesmice (10:23)

Se você realmente quer ser um empreendedor inovador, evite a mesmice. “Não faça as coisas 10% melhor. Faça 10 vezes melhor”, de acordo com Guy (e Jobs).

Pense em como o iPod substituiu o walkman. Ou como o iPhone substituiu o Balckberry. Ou como o iPad substituiu… O que nós usávamos antes do iPad?

Grandes inovações ocorrem quando empreendedores tentam sair da mesmice.

7. “Funciona” ou “Não funciona” é tudo o que importa (13:16)

Em novos discursos, Guy mudou este ponto para: mudar sua mente é um sinal de inteligência.

Quando o iPhone surgiu, aplicativos de terceiros não eram permitidos. Segurança era uma questão importante, assim como a qualidade da experiência, etc. Na essência, a Apple disse: “Estamos fazendo isso para seu próprio bem”.

Seis meses depois, a Apple reverteu completamente sua posição e abriu o iPhone para os desenvolvedores. O que você acha que aconteceu?

Lição: Seja flexível quando necessário.

8. “Valor” é diferente de “preço” (16:05)

Um item pode custar mais, mas qual é o seu valor? O que dizer sobre fatores como facilidade de uso, aumento de produtividade e baixo custo de manutenção? Quanto esses fatores valem para o consumidor?

Empresas como Apple, McKinsey e Mercedes-Benz são construídas com a premissa de que os consumidores pagarão um preço alto pela alta qualidade.

Então, pergunte a si mesmo: Qual é a percepção de valor da minha empresa ou serviço?

9. Nível A contrata Nível A (22:22)

Normalmente, quando uma empresa é pequena, ela só quer contratar indivíduos de nível A. Mas, à medida que a empresa cresce, medo e política surgem. Alguns líderes temem que novas contratações sejam melhores do que eles, que podem crescer e tomarem seus empregos. Esse medo leva ao que Guy se refere como “Explosão Bozo”.

O momento que você contrata alguém de nível B é quando a “Explosão Bozo” começa; o nível B contrata alguém de nível C, o nível C contrata alguém de nível D, até que um dia você acorda e está rodeado de “Bozos”.

Lição: Contrate os melhores. Se possível, contrate pessoas melhores que você.

10. CEOs de verdade demonstram (24:53)

Você já presenciou uma apresentação onde o líder da empresa ou projeto disse: Ok, agora eu gostaria que meu (Vice-Presidente, Diretor de Design, etc.) demonstrasse o produto.

Nesse ponto, você (ou quem está assistindo) se pergunta: “Por quê? Você não pode fazer? É tão difícil?

Jobs era famoso por liderar suas próprias demonstrações. Nem sempre era perfeito, mas ele queria essa responsabilidade. Você deveria querer também.

11. Empreendedores de verdade entregam (25:41)

Quando você saiu da mesmice, a primeira versão do seu produto ou serviço pode não ser boa. Ela será revolucionária, mas terá fraquezas.

Não deixe isso te conter. Porque se você deixar esperará eternamente para entrar no mercado e a janela de oportunidade terá fechado.

Como dito por Guy: “Não estou dizendo para entregar um pedaço de lixo. Estou dizendo para entregar algo que inova e que tenha elementos de lixo nele. Grande diferença”.

12. Algumas coisas precisam ser acreditadas para serem vistas (27:05)

Muitas pessoas acreditam que as coisas precisam ser vistas para serem acreditadas, mas não empreendedores verdadeiros. Você tem que acreditar em seu produto ou serviço para, então, lançá-lo. Somente mais tarde você poderá ver os resultados que esperava.

Guy: “Se você não acredita, nunca acontecerá. Se você esperar por provas, nunca acontecerá. Se você esperar pela validação dos consumidores, nunca acontecerá. A razão da Macintosh ser bem sucedida é porque no âmago, 100 pessoas, começando com Steve Jobs, acreditavam na Macintosh. E por causa da nossa crença na Macintosh, nós a tornamos uma realidade”.

Então, o que você acha? Quais dessas lições é mais valiosa para você? Deixe seu comentário e compartilhe.

QUER APRENDER A CRIAR UMA APRESENTAÇÃO INFLUENTE?

Convidamos o CEO da Ampfy, Gabriel Borges, e Carol Santos, gerente de planejamento, para mostrar em detalhes como reter a atenção de qualquer pessoa, como ter fluidez e quais as ferramentas e sites utilizar para aliar tudo isso com um resultado final elegante.

quero saber mais sobre o curso!

Ministrante
  • Gabriel borges, Co-fundador e Head de Estratégia
  • Carol santos, Planning Manager

Texto originalmente publicado no site Inc. por Justin Bariso. Traduzido e adaptado pela equipe do Tutano.

DEIXE UM COMENTÁRIO