Como fazer as gerações X e Millennials trabalharem juntas

2016-07-20_geracoes-trabalhando-juntas

Nas empresas de hoje, o chefe é como um maestro. Nessa analogia, assim como um maestro que define o ritmo e garante as entradas corretas de cada músico, o trabalho de um líder é saber quando e como fazer os diferentes talentos e habilidades de seus colaboradores trabalharem pelo benefício coletivo da empresa.

Leia também:
» Sonia Sanches, da Neogama, fala sobre seu trabalho como RH
» 30 razões que farão sua carreira melhor aos 30
» Infográfico: como os millennials enxergam o trabalho

Contudo, uma grande parte da responsabilidade também se encontra em cada indivíduo, para que se adeque à equipe da melhor maneira possível. Esses esforços não se comparam ao modo como o chefe deve lidar com as diferenças entre seus funcionários. Uma das grandes questões é a diferença de gerações. Acompanhe estas dicas para lidar com isso:

Esqueça os estereótipos

Generalizar os membros de um grupo por uma questão de entendimento é normal, mas, quando gravamos esses aspectos em nossas mentes, desenvolvemos estereótipos. A Geração X se aborrece com tecnologia e evita seu uso enquanto os Millennials são loucos por dispositivos é um dos estereótipos comuns associados às duas gerações e ambas afirmações estão erradas.

Por isso, o chefe precisa, primeiramente, superar qualquer suposição prévia que tenha sobre as duas gerações para ser um gestor melhor. Ao invés de aplicar certas características à uma geração inteira, tente conhecer cada pessoa individualmente.

Depois de se livrar dos preconceitos e estereótipos, será mais fácil transmitir o conceito de neutralidade geracional para sua equipe.

A função do chefe é encorajar a diversidade colaborativa e afastar seus funcionários das etiquetas e rótulos.

Atribua tarefas mutuamente interessantes

Há um velho ditado que diz que “você só conhece alguém quando mora ou trabalha junto”. Claro, não espere a primeira opção de seus funcionários (isso seria estranho), mas o que você pode é fazê-los trabalharem juntos.

Em vez de enviar lembretes e e-mails insistindo para eles trabalharem um com o outro, a melhor maneira é atribuir tarefas que ambas as gerações possam se interessar. Vale inverter um pouco o que geralmente seria considerado o papel de cada geração.

Por exemplo, para um projeto que envolva pesquisa documentária e local, você pode alocar uma equipe de X e Millennials nisso. Não é uma questão de estereótipos, mas tenho certeza que a Geração X iria, alegremente, fazer a pesquisa e os Millennials apreciariam um pouco de ar fresco.

Crie oportunidades de aprendizado

Um dos grandes segredos da harmonia entre as gerações no trabalho é criar oportunidades para que os funcionários aprendam uns com os outros.

Quando alguém te ensina algo, você automaticamente sente respeito por ele ou ela. Você também pode se sentir em dívida com seu mentor e, muitas vezes, procura devolver o favor.

A tutoria entre gerações pode abrir muitas portas de colaboração para as duas gerações.

Para tarefas que envolvam tecnologia de ponta, você pode sugerir ao funcionário da Geração X peça ajuda a alguém da Geração Y e, para um projeto atribuído a um Millennial que envolva conhecimento institucional, você pode aconselhá-lo a pedir ajuda para um experiente funcionário da Geração X.

Estilo de gestão personalizado

As gerações X e Y cresceram enfrentando diferentes situações e contextos que moldaram seus valores profissionais e percepções do trabalho.

Então, se seus valores são diferentes e seus DNAs profissionais não combinam, por que o estilo de gestão usado deveria ser o mesmo?

Para uma força de trabalho mais produtiva, um chefe deveria ajustar seu estilo de gestão de acordo com os valores particulares e características de cada grupo e, posteriormente, concentrá-lo em cada indivíduo.

Por exemplo, X e Milennials gostam de se comunicar diferentemente, então, de reuniões cara-a-cara, e-mails e telefone até mensagens instantâneas, tente oferecer uma variedade de ferramentas de comunicação no escritório. Sobre o estilo de trabalho, você pode pedir para seus colaboradores escolherem qualquer método que melhor lhes convierem, desde que isso não afete suas produtividades.

Defina um exemplo pessoal

Além de usar estilos personalizados de gestão, como empregador, você também precisa definir seu próprio exemplo pessoal. Isso é importante porque a maneira como se comporta e conduz negócios é refletida em seus funcionários.

Se você quer que seus colaboradores se livrem dos preconceitos e trabalhem em perfeita colaboração, primeiro, você deve superar seus próprios problemas.

Em um lugar onde pessoas de diferentes idades, qualificações e histórias trabalham juntas, conflitos surgem.

Esteja atento a esses conflitos mas não os enfrente sozinho. O mercado é uma selva que somente permite a sobrevivência do mais forte. Sua equipe somente será tão forte quanto você.

Toques finais

A diversidade também significa complexidade e tensão entre os funcionários. No caso do local de trabalho, a expressão “idade é só um número” é realmente verdadeira, porque não é a diferença de idade, mas as diferenças nos valores centrais de cada geração.

Você encontrará pessoas sem ética de trabalho em toda geração, assim como vai descobrir funcionários jovens e velhos que são trabalhadores verdadeiramente notáveis.

Como o chefe e líder de uma empresa, o segredo para uma colaboração bem sucedida entre X e Millennials está em suas mãos. Cada funcionário traz algo à mesa, até a Geração Z que, em breve, entrará no mercado, se já não estiverem.

Entretanto, é sua tarefa fazer uso das vantagens do jeito certo e motivar seus funcionários a construírem relações de trabalho funcionais para o sucesso coletivo da organização.

Texto originalmente publicado no site Hongkiat por Arfa Mirza. Traduzido e adaptado pela equipe do Tutano.

Podemos te ajudar a encontrar os melhores profissionais

Divulgue, Gerencie, Contrate. Conheça nossa plataforma de publicação de vagas e encontre o candidato ideal.

DEIXE UM COMENTÁRIO